12.9.11


Bom, como já dito no post anterior, nosso terceiro dia no País de Gales foi muito longo. Assim, achamos melhor dividi-lo em duas partes.

E, aí, vai, então, a segunda parte do dia!

Saindo de Portmeirion, alcançamos nossa próxima parada em quinze minutos: o castelo de Harlech.




Ele fica situado numa parte mais alta da cidade e o vento estava mais forte do que nunca. Foi difícil até andar do estacionamento até a loja do castelo. Para nossa imensa frustração, o castelo estava fechado. E por culpa de quem??? Do vento! A moça da loja nos explicou que vários castelos estavam fechados pela mesma situação, inclusive o de Conwy que já havíamos visto, pois é arriscado andar por cima dos muros. Poxa, não podiam proibir apenas que os turistas subissem nos muros? Era só fechar as subidas! Enfim, não adiantava chorar, se lamuriar nem nada. Chato era ter ficado menos tempo do que o que eu gostaria em Portmeirion sem a menor necessidade.

Fizemos o que nos restava: andamos por fora do castelo. Realmente uma beleza! Muito imponente!




Mais um dos castelos construídos por Eduardo I, entre 1283 e 1289, em sua conquista do País de Gales. Mas o que mais me impressionou, de fato, foi que o mar, na época da construção do castelo, chegava até ele. Vamos ver se vocês conseguem ver onde o mar está agora:




É, gente, é isto mesmo: lá perto do horizonte! Não é incrível?

Para tentar driblar nossa frustração, a moça da loja, muito simpática e solícita, abriu o mapa de castelos que ficam do norte até o meio do país, tentando nos ajudar a encontrar algum no nosso caminho. Harlech era nosso penúltimo destino do dia. E o último castelo até chegarmos na capital (Cardiff).

Aliás, se você pretende ver mais de um castelo, aconselho comprar um passe. Existem dois tipos: um permite visitar todos os castelos que conseguir em sete dias não consecutivos, com o limite máximo de quatorze dias entre o primeiro e o último dia e outro que permite três dias de visitas em uma semana (veja no site http://cadw.wales.gov.uk/Traveltrade/explorerpass/?lang=en). Escolhemos este segundo passe (20,30 libras o casal). Seria perfeito. No primeiro dia vimos Beaumaris, no segundo vimos Conwy e Caernarfon e, hoje, veríamos Harlech.

Como já estava pago mesmo, tentamos chegar a tempo numa atração que estava no caminho para Aberystwyth, onde iríamos passar a noite.

Com medo de chegar lá e dar com a cara na porta (eram 15h30min e as atrações fecham às 17h), aceleramos em direção às ruínas da abadia de Cymer. Esta atração sequer estava no meu guia.

Olha aí nosso fiel escudeiro:




Chegamos lá meio desconfiados. Não havia bilheteria, nem absolutamente ninguém tomando conta. Então, empurramos o minúsculo portão e entramos.




Bom, felizmente não havia bilheteria, porque chegamos um pouco antes de 17h!




E é só isso que vocês estão vendo nas fotos. São ruínas de uma abadia construída em 1198. Interessante e tal, mas nada demais se comparado a tudo que já vimos nessa viagem.

Então, “bora” seguir viagem! De Harlech até Aberystwyth gastamos em torno de 1h30min, contando com uma parada relâmpago no caminho para entender o que era aquele moinho enorme e fotografá-lo.




Descobrimos que foi uma fornalha construída em 1755 para produção de ferro. Foi utilizada por cinquenta anos e, depois, abandonada. Desde 1977, após ser totalmente escavada, tornou-se patrimônio histórico do País de Gales.

Enfim, chegamos em Aberystwyth e ainda não havia anoitecido. Deixamos nossas malas no B&B e fomos caminhar pela orla.



Aberystwyth é uma cidade universitária e praiana, tida como capital cultural do centro do País de Gales.

Caminhamos ao longo do passeio apreciando as casas vitorianas. Toda a orla parece ter parado no século XIX.




O sol começou a baixar. Ventava muito (para variar) e o mar estava bastante agitado.



Mesmo assim, um casal foi até a areia levar o cachorro para um banho de mar. Coragem!




Pegamos o carro e fomos até o outro lado da praia.




Andamos um bocadinho até as ruínas de um castelo que ficava bem na ponta sul da praia. Reparem no início do passeio, lá perto da montanha no fundo da foto!




O prédio bem grande que vocês vêem à direita da foto é a faculdade de teologia.

Chegamos às ruínas do castelo de Aberystwyth, construído em 1277.




As ruínas ficam em cima de uma colina, onde há, também, um mirante com um visual muito bonito.




Glyndwr, o líder galês que lutou pela independência do País de Gales, chegou a tomar este castelo e a utilizá-lo como base entre os anos de 1404 e 1408, quando a coroa britânica tomou de volta o território. Segundo informava uma placa no local, há relatos de que teria sido nesta batalha que a coroa britânica teria se utilizado pela primeira vez de canhões.






Aqui ficava o fosso:




Já eram quase 20h e começou a anoitecer rapidamente. O vento forte provocava ondas enormes. A pouca areia que havia na praia simplesmente desapareceu e o píer que, mais cedo, estava cheio de gente, agora estava sendo varrido pela água!




Então, resolvemos voltar. Aproveitamos para passar mais perto da faculdade de teologia.




Originalmente, a faculdade era um hotel, construído por um empresário chamado Thomas Savin. No entanto, ele foi à falência e o prédio serviu para fundar uma universidade nacional. Inaugurada em 1872, agora é uma faculdade de teologia.








Mortos de fome, jantamos no restaurante indicado pela dona do nosso B&B. Muito bom! Aguardem maiores informações a respeito em breve post sobre dicas e curiosidades do País de Gales!

E, finalmente, este dia enorme e muito produtivo terminou. No próximo post, o santuário cristão de St. Davids e a cidade de Tenby! Até!

15 comments :

  1. O que jantaram? Parece uma pergunta tola, mas estou curioso para saber o que um galês come!

    ResponderExcluir
  2. Nossa! Muito legal! Impressionante como a cidade de Aberystwyth é parecida com Conwy. Louco ver essa identidade visual, arquitetônica no País de Gales, beeeeem diferente de se estar na Escócia ou na Inglaterra, né? A gente não conseguiu conhecer mais do país, infelizmente e ficamos só no cinturão norte. Estou louco para ver os posts de Cadiff, hein? A propósito, sobre esse vento LOUCO, foi perto de Beaumaris que eu tive, pela primeira vez na vida, a sensação de que ia VOAR sem ter asas nem dentro de nenhum veículo. #Tenso

    ResponderExcluir
  3. Lindas fotos! Adorei!!!
    Linda arquitetura. #Vontade =)

    ResponderExcluir
  4. Adorei as fotos Lu! Que lindo castelo!

    ResponderExcluir
  5. Oi, Lu. Tudo bem?

    Seu post foi selecionado para a #Viajosfera, do Viaje na Viagem.
    Dá uma olhada em http://www.viajenaviagem.com

    Beijos
    Bóia

    ResponderExcluir
  6. Oi Bóia Paulista! Não tinha visto, não! Que bacana! Um orgulho! Valeu, Lu.

    ResponderExcluir
  7. Oi Lu! Lindo, né? É um castelo bonito depois do outro... ai, ai... Valeu! Bjs.

    ResponderExcluir
  8. Valeu, Dani! Tudo muito lindo mesmo! Bjs.

    ResponderExcluir
  9. Oi Gleiber, tem uns 2 posts na frente a, aí, finalmente, virá Cardiff. Espere até ver também a cidade praiana de Tenby. Tb segue o mesmo estilo. Muito legal! Bjs.

    ResponderExcluir
  10. jantamos carne. A comida não é nada muito diferente. O que é bem diferente é o café-da-manhã. Bacon, ovo, cogumelo... É bem pesado!

    ResponderExcluir
  11. Oi Linaura, que lugaar bonito e diferente!
    Marisa

    ResponderExcluir
  12. Imagina, subir no castelo e o vento te trazer de volta para o Rio de Janeiro. Foi melhor não arriscar.

    ResponderExcluir
  13. O Unknown sou eu, Fabiana.
    Tô avisando pq poderia ser o cahorro que não tem medo de vento nem de água gelada rs!

    ResponderExcluir
  14. Oi Fabi! Deus me livre o vento me trazer de volta! Ainda tinha tanta viagem pela frente! Rsrsrs

    ResponderExcluir
  15. Nossa agora estou perdida, descobri seu blog e vou ter que encaixar o País de Gales no meu roteiro. Ótimas postagens, lindas fotos, parabéns.

    ResponderExcluir